sábado, 27 de janeiro de 2018

Relógio SILCO



  30 cm altura x 26 cm de comprimento x 10 cm de profundidade.


     O SILCO  que se mostra aí em cima, todo posudo, passou quase 03 (três) anos  no Antiquário aguardando vez para ser colocado nos conformes.  Foi adquirido na Feira de Antiguidades, Mercado Público de Porto Alegre/RS, com pintura fora do original, sem 02 (duas) "pernas", porém com funcionamento perfeito.
     O Mário Borrea  ( 54 9 91436315) raspou a tinta deixando na madeira, construiu as pernas faltantes, deu uma boa lustrada, manteve o forro cor laranja (?) , o que lhe conferiu estética de museu. Trata-se de relógio especialmente singular, diria raro nessa condição, por buscar na sua forma a imagem de TV, com pés “palito”, o que nos permite arriscar ter sido fabricado nos anos sessenta.





     Os relógios SILCO foram  “fabricados” no  Brasil  utilizando-se de maquinário suíço de marca SOREL, por Edgard Kocher, fundador da Empresa Brasileira de Relógios Hora S/A, que encerrou atividades na década de oitenta.
     Encerramos com Marlene Kremer:


Inocência


Por que amor meu, diga me:
Por que será?
Por que só o teu sorriso me aclama,
E é a tua vóz que me socorre
A alma
Toda vez que eu de ti precisar?
Deve haver um porquê.
Ou não há?!
Não seria, então, você
O anjo
Que um dia, inocente, desceria
Á terra
Vindo tão somente pra me salvar?
(Deve haver um porquê.
Ou não há?)
Mas isso tudo amor meu,
Eu entendo
Penso que compreendo:
Os rumores
Do tempo nos dirá.



Marlene Kremer - Colaboradora do Projeto Passo Fundo

segunda-feira, 18 de dezembro de 2017

Câmera fotográfica ROLLEIFLEX

Filme 120   negativos  6 x 6

 Classificada  como rara pelo site  camerasantigas


     Apresento a última aquisição do Antiquário. Essa ROLLEIFLEX  chegou através de indicação de amigo, aqui mesmo em Passo Fundo.  Logo percebi tratar-se de câmera valiosa  e que merecia fazer parte do acervo, mesmo estando num estado “meia boca”  como poderão verificar em fotos que registrei. Adquiri a câmera pensando que o amigo Luiz C. Vieira, colecionador de antigos e restaurador nas horas vagas, poderia transformá-la. Não deu outra!  Deu no que deu! Maravilha.



     Foram desenvolvidas e fabricadas, desde 1929, pela empresa alemã Frankz Heidecke. Ao longo de sua historia também foram produzidas por sucessores, dentre elas, ROLLEI  Gmbh. Atingiram pico de popularidade em meados de 1950. Fonte: Dr. Google.



Era assim:




Encerramos com Elizeth Cardoso em Barracão de Zinco!





segunda-feira, 24 de abril de 2017

Motocicleta Honda CG 125 – Ano 1982.



     Acervo de Davi Guggiana Costa
     
     Este Antiquario já compartilhou tudo  que se possa imaginar: telefones, balanças, rádios, cadeiras,  lustres,  eletrolas, etc etc e por aí vai. Agora moto antiga, ainda não... Mas,  sempre tem a primeira vez.

     Detalhe: Pintura original

     A pioneira, que exibimos – agora -  é de propriedade do jovem Davi Guggiana Costa. Trata-se de uma Honda 125 CG, fabricada em 1982, totalmente original. A quase quarentona apresenta-se impecável nas sua aparência e funcionamento, desdenhando os efeitos do tempo e quilometragem.
Parabens, Davi! Vida longa para a “bolinha”!


     “Primeira geração ( 1976-1982): a primeira moto realmente brasileira da marca nipônica sai da fabrica da Honda em Manaus. A popular “bolinha”, aliás, o único modelo com linha arredondadas das CGs, logo virou paixão nacional por ser simples, leve, econômica e fácil de pilotar. Quatro cilindros, 11 cv de potencia e alcançava 100 km/h com o cabo todo enrolado”. Texto retirado da revista MOTORPRESS, edição 205, janeiro de 2015.



 26.027 Km rodados




Pelé, garoto propaganda da CG 125 


Proprietário da moto testando a máquina




sexta-feira, 24 de março de 2017

DECOTEL – Personal Telephone -




     Olhem só o mais “novo” telefone que passou a fazer parte do acervo do Antiquario nesta semana.  Trata-se de um da marca DECOTEL Personal Telephone, acoplado em caixa revestida de couro, o que nos faz pensar destinava-se  a publico diferenciado.
     





     Consta em sua face anterior selo: American Telecommunications Corporation, nr. 146011, modelo D – 213 -3 T – El Monte California.
     Revisado pelo restaurador e colecionador de antiguidades Pinga,  telefone  054 9 9985-2939, que o considerou completo e com seus mecanismos em perfeito funcionamento.


     Vejam só o que o Adilson Tortato, apreciador deste blog, nos presenteia: fotos da “dama da noite”.  Essa Epiphylum  Oxipetalum, flor cujos botões desabrocham no final de verão, permanecendo aberta por uma noite somente, 08 (oito) horas precisamente, segundo depoimento do Adilson, dono e fotografo da preciosidade.  Obrigado,  e no próximo verão chegue novamente.
     Encerramos com poema do poeta Moacir Luis Araldi e a banda americana PINK MARTINI, com quem fechamos contrato para algumas apresentações.




Tempo lindo.

Há tempo para ser prático 
Em que se cultiva a roseira, 
Outro para ser romântico 
Em que se oferece a rosa. 
Há o tempo tocante que voa 
E a música preferida entoa. 
Aquele mil vezes desejado 
Delicioso como o vinho maturado. 
Tem momentos que passam vazios 
Fazendo tudo tão frio, 
Outros, aconchegantes com o toque na pele
Causando relevantes arrepios. 
Há tempo para perder-se 
Em devaneios atemporais. 
Para perdoar há o tempo infindo.
Há tempo para ver a vida amanhecer 
E o amor dizer: – bem-vindo! 
É tempo de viver... 
Ah, que tempo lindo!



Moacir Araldi
Moacir Luís Araldi tem participações em inúmeras antologias e, em 2014, publicou o seu primeiro livro solo, pela editora Aldeia Sul, com o título Cabernet. Escreve e publica no Projeto Passo Fundo: www.projetopassofundo.com.br, em seu blog: www.doisversos.com, e em outros sites literários.






quinta-feira, 2 de fevereiro de 2017

Rádio General Elétric “all wave 8 “



"Sua risada devia tocar no rádio". Caio Fernando Abreu



     Olhem só esse radião!  Em estado de novo, falando que nem só ele,  ganhou lugar de honra aqui no Antiquário. Fechamos negocio com seu antigo dono, por indicação de amigo, que viu nele peça interessante, difícil de achar assim, conservadíssimo, embora cinquentão.




      O aparelho nos deu pistas de seu modelo:   transistorizado,  RT/HRT 37 A-89, numero de série 152307 JE.  Fabricado na década de sessenta, período estimado. Consta no alto-falante, em seu interior, registro de data de 31.08.1960.



     Temos novo parceiro no blog. Trata-se da banda  Pink Martini, americana, formada  em 1994,  em Portland, Oregon, com doze membros. São bastante ecléticos, misturando diversos gêneros em seu repertorio:  latino, lounge, clássico e jazz. A musica que nos apresentam hoje é bastante conhecida de uma determinada  geração. Quem não escutou e apreciou “ donde estas, Yolanda?”. 


https://www.youtube.com/watch?v=ZOWqQsOwzjw


E, de quebra, temos Pedro du Bois poetando sobre... rádios! Que parceria!

RÁDIO ESTRELA
Pedro Du Bois
 
Não sou bambu que verga, quebro.
Não sou marmelo que bate, apanho.
Não sou locutor que fala, escuto.
Queria ser como o urso que hiberna.
 
Dormir sentado em frente ao vídeo, 
ficar acordado na madrugada,
assistindo filmes antigos na televisão.
 
Do bambu, o recheio, o palmito;
do marmelo, o doce que minha avó fazia.
Do locutor, a pausa para descanso.
 
A voz vindo do aparelho na língua
estrangeira em ondas curtas.
Estática no som que some.
 
Na loja do shopping pela manhã,
encontrei desses rádios: “Estrela”.
Com as vozes na minha infância.
 




O QUE SE ANUNCIA
Pedro Du Bois
 
O rádio transmite
aos ouvidos atentos
notícias repetidas
 
na música suave
fecho os olhos e escuto
o piano ao luar
 
bobagens estereotipadas
em velhos conhecidos
na mesma mesa de bar.
 






quinta-feira, 12 de janeiro de 2017

Telefone antigo – Companhia Telephonica Brasileira




     Como sempre, nos grandes acontecimentos relativos a  este blog,  temos  a  presença de Nat King Cole.  Obrigado a todos que nos visitam, e que tornaram possível  alcançarmos essa marca.




                                                                             Made in Belgium -  2825 A 


     Os objetos antigos vem se chegando, procurando caminho para as maos daqueles que os apreciam e lhes garantam, atraves de restauração,  vida longa.  Chegam, como no caso desse telefone  preto, de baquelte, num estado lastimoso, pedindo  um trato. No Antiquário são recebidos  com carinho  e rejuvenescidos.  Registro dito do amigo Darlou D` Arisbo http://restauroantique.blogspot.com.br/ que diz “restaurar é um conjunto de ações para interromper  o processo de deterioração do objeto que testemunhe a historia e, no nosso caso, revigora-lo à sua funcionalidade de quando em utilização produtiva”.  E é isso exatamente o que tentamos fazer.
     O pretinho agora  apresentado caiu nas mãos do competente restaurador Tonimar Araujo, que fez belo trabalho, com talento e muita paciência.
     Voltando ao telefone, lamentamos,  mas não podemos identificar seu fabricante, período em que reinou ( talvez anos quarenta), mas apresenta algumas pistas que poderão indicar sua trajetória. Sua ficha técnica fica em aberto.





 Logotipo da Companhia Telefônica Brasileira utilizado em 1940


     Registra  selo em seu discador: Companhia Telephonica  Brasileira – 25.1595 –
     Um pouco de historia:
     “ A Companhia Telefonica Brasileira ( CTB) foi uma empresa de telefonia brasileira que atendeu os estados de São Paulo, Rio de Janeiro e Minas Gerais. De capital canadense, foi fundada em 1888 como Brazilian Telephone Company, passando a ser chamada  pelo nome em português   somente no ano de 1923. Foi nacionalizada por Juscelino Kubitschek em 1956. Na década de setenta, depois da criação do sistema TELEBRAS, os serviços da CBT foram assumidos pela TELERJ e TELESP, respectivamente”. Fonte: Wikipédia.






Abaixo, registramos fotos de algumas fases da restauração:










segunda-feira, 19 de dezembro de 2016

Telefone antigo

Flagrante da visita de Nat King Cole na sede do Blog, retratado por Ício, o cartunista.

     Ja  vi  muitos telefones antigos.  Este Antiquario tem alguns, inclusive compartilhados através deste blog,  de amigos colecionadores, em museus,  e  posso dizer que “um mais lindo do que o outro”.  Mas quem convive no meio e garimpa antiguidades sempre pode ser surpreendido com algo diferente., como foi o caso deste antigo e charmoso telefone,  acoplado sobre mesa em bronze ricamente trabalhado, com tampo em mármore. Coisa muito chique! 

 75 x 39

     Época? Talvez década de 40, 50, sei lá. Quem  puder colaborar informando algo a respeito da preciosidade, agradecemos, eu, e Nat King Cole, patrono deste blog.
     A peça tem lugar de destaque no Antiquario, e não foi por acaso que a mostramos  encerrando o ano de 2016.
     Por falar em encerramento do ano,  convidamos Nat King Cole, que em momentos especiais como este nos apresenta “Ansiedad”, Icio, o cartunista  que nos retratou, e Pedro Du Bois, poeta e contista, que nos brinda com poemas, lógico, versando sobre telefones.        


Amigos Feliz Natal!




OS OBJETOS E AS COISAS

XVI – O Sono dos Objetos
(Pedro Du bois, em Os Objetos e as Coisas)

Na noite os objetos adormecem
como comuns mortais: a madeira 
se distende e a pedra se condensa; 
alguns vertem águas despudoradas
em falsos milagres.

       O telefone é um objeto através
       do qual as pessoas se desatendem:
       o telefone é o ícone
       do objeto que sofre a dor
       alheia: o chiado, as descargas,
       a mudez temporária e o fato
       de não se receber qualquer chamada
       faz parte do sono do aparelho.

        Todos os desajustes são reportados
        em relatórios ao objeto chefe:
        é verídico o fato dos objetos
        não fazerem greves ou paradas.




 

TELEFONE

(Pedro Du Bois, inédito)

Olha a cidade
o telefone toca:
          saiu quem poderia
                falar com você.

Nada acontece
na cidade pela janela
nem importa o quanto 
desperta o telefone

não será atendido
ninguém falará com você.

Parado no tempo: ingenuamente 
olha pela janela preso ao telefone 
que não toca mais.
 



                                 


TELEFONES
(Pedro Du Bois, inédito)

O telefone emudece sentimentos
:falar sem ver a face amada
:adivinhar inflexões e caretas
:ver onde estão as mãos
 e repousa o olhar.

Aparelho frio: discos
                       teclas 
             manivelas
fixos e móveis.

O telefone sem sentimentos:
ocupado
errado
fora do ar.